sábado, 26 de dezembro de 2009

TUTORIAL PARA BONECAS DE PANO



Para quem é apaixonado por bonequinhas de pano, há um interessante tutorial (em inglês) ensinando a fazer cabelos cacheados e a aplicar detalhes na bonequinha.

Veja a variedade de tipos de bonecas AQUI e depois,  clique AQUI para ver o tutorial.

sábado, 11 de julho de 2009

Tapetes de Histórias























Os tapetes de histórias servem de suporte para as crianças vivenciarem as aventuras e podem ser utilizados por professores para estimular o amor pela leitura e pelos contos.


http://www.tapetescontadores.com.br/

sábado, 14 de fevereiro de 2009

MAMULENGOS




Mamulengo é uma espécie de divertimento popular que consiste em representações dramáticas, por meio de bonecos, em um pequeno palco ligeiramente elevado. Por detrás do pano escondem-se uma ou duas pessoas adestradas, fazendo com que os bonecos se exibam com movimento e fala.
A presença dos fantoches é assinalada desde a mais remota Antigüidade. Alguns estudiosos afirmam tenham se originado na Índia, outros asseguram serem oriundos do Egito, onde foram encontrados bonecos de ouro, marfim e barro. O certo é que os fantoches freqüentavam as feiras da Antiga Grécia e de lá passaram para Roma. Da Itália, na Idade Média, os títeres caminharam pelas mãos de artistas anônimos para vários países da Europa, fazendo a alegria das crianças e também dos adultos. Naquela época a Igreja valeu-se do teatro de marionetes para a difusão do espírito religioso, visando atrair a atenção dos fiéis de maneira direta e objetiva, tendo esta forma de espetáculo adquirido também o nome de “Presépio”, no qual figurava o nascimento de Nosso Senhor Jesus Cristo. Deve ter sido sob esta forma que a representação entrou no Brasil.
Durante muitos anos, tanto na Europa quanto em nosso país, os fantoches trabalharam nas cenas religiosas para ensinar a história bíblica, e pouco a pouco é que se deu a sua secularização, isto é, foram neles introduzidos assuntos profanos, principalmente aqueles que provocam a hilaridade.
Os fantoches são feitos de madeira, metal, papel, palha, barro, etc. São vestidos a caráter. Geralmente cada boneco tem o seu nome e a sua personalidade. Em todas as representações, nunca saem de uma determinada “linha de conduta”. Assim o chorão, o briguento, o valente, o bondoso, sempre se apresentam com seus predicados, pelos quais se tornam conhecidos. Além desses personagens humanos, há também os bichos, destacando-se entre nós o brasileiríssimo jacaré.
Com o passar do tempo os bonecos foram adquirindo caráter diferente, graças à maneira de serem manejados pelos artistas, assim é que hoje podemos classificá-los em três grupos distintos;
a) – os de varinha; b) – os que são movimentados por cordinhas (marionetes); c) – os “guignol”, isto é, aqueles que são movimentados pela mão do artista, que é introduzida dentro do fantoche: o polegar vai a um dos braços, o indicador no orifício da cabeça e o médio faz o movimento do outro braço. A voz é de quem o maneja.O títere chegou ao Brasil em dois pontos diferentes e com um espaço de século e meio. Primeiramente apareceu em Pernambuco, talvez trazidos pelos holandeses, pois naquela época estava em grande voga na Holanda, sob o nome de “Jan Pickel Herringe”. Quanto ao nome mamulengo, não se sabe ao certo a origem, supondo uns que derive de “Mão Molenga”. É também conhecido como “Brincadeira de Molengo”. Os artistas pernambucanos de fantoches mais conhecidos foram o Dr. Babu, que exerceu enorme influência sobre os titeiristas que vieram depois, pois seus espetáculos eram, na maior parte, improvisados. O sucessor do Dr. Babu chamava-se “Cheiroso”, pelo fato de fabricar “cheiros”, essências baratas extraídas de flores e metidas em frasquinhos.
No Rio Grande do Sul os alemães trouxeram o “Kasperletheater”, que se naturalizou brasileiro sob o nome de “Gaspar”, para contar lendas brasileiras, como a do Negrinho do Pastoreio.
O teatro de fantoche é de grande valor educativo, pois é distração sadia, que dá grande alegria às crianças, por isso é um dos meios mais elevados para educar a infância. É muito usado em várias escolas, onde representam temas brasileiros e instrutivos. Recentemente a televisão vem divulgando o teatro de fantoches, acionados muitas vezes por ventríloquos. Em São Paulo e no Rio de Janeiro a criançada conhece o Mamulengo pelo nome pitoresco de “João Minhoca”.

Folclore Brasileiro / Nilza B. Megale- Petrópolis: Editora Vozes, 1999.


quarta-feira, 28 de janeiro de 2009

AULA - COMO FAZER BONECOS - PARTE 1

AULA - COMO FAZER BONECOS - PARTE 2

AULA - COMO FAZER BONECOS - PARTE 3

AULA - COMO FAZER BONECOS - PARTE 4

AULA - COMO FAZER BONECOS - PARTE 5

Como fazer fantoches de espuma 2

Lindos os bracinhos e as mãozinhas com cinco dedos.

Como fazer um fantoche

Este é um fantoche simples e interessante. Veja os dois vídeos.

quinta-feira, 15 de janeiro de 2009

segunda-feira, 12 de janeiro de 2009

Fantoches de Espuma



Os fantoches de espuma são material indispensável aos educadores de quaisquer setores que desejem tornar seu trabalho mais interessante e atraente.
Fazem um sucesso enorme em apresentações nas igrejas, em atividades educativas na escola,em festas infantis, em grupos de teatro, podendo incentivar jovens a criarem peças teatrais e encená-las. Os fantoches de espuma são muito engraçadinhos e despertam nas crianças um grande carinho.